• AHS S04 | Freak Show | Uma aula de combate a discriminação | Blog #tas

    Capa - AHS S04 | Freak Show | Uma aula de combate a discriminação | Blog #tas



    American Horror Story - Freak Show é rica em abordar o combate a discriminação. Confira o que temos a aprender com esta temporada.



    Antes de mais nada, tenho que dizer que assistir esta temporada foi agoniante e ao mesmo tempo emocionante. Agoniante porque tenho medo desde criança de circo e de palhaço, as aparições do palhaço Twisty foram uma sessão de tortura. Por outro lado, foi emocionante porque Ryan Murphy permitiu você mergulhar profundamente no psicológico dos personagens, causando um misto de repulsa e ao mesmo tempo de compaixão.



    (Twisty - John Carroll Lynch)


    A temporada se passa na década de 1952, período perfeito para analisar o tema discriminação. A história ocorre num circo localizado na cidade de Júpiter, Flórida. Sua dona Elza Mars (Jessica Lange) era responsável  pelo recrutamento de suas novas atrações, utilizando o argumento de que o circo seria uma proteção e uma saída contra a marginalização da sociedade que os consideravam aberrações.



    (Jessica Lange e Sarah Paulson)


    Não tem como deixar de ressaltar o show de interpretações de todos do elenco. Merecem destaques Dandy Mott (Finn Wittrock), um dos piores assassinos desta season; e as gêmeas siamesas Bette e Dot (Sarah Paulson), que se consagrou com a choque de humores das duas personagens. Infelizmente Emma Roberts teve sua imagem um pouco apagada com a golpista Maggie Esmeralda, mas mesmo assim, foi aceito pelos fãs.



    (Sarah Paulson e Finn Wittrock)


    Particularmente o episódio 10, intitulado "Órfãos", foi um dos mais marcantes. Nele vamos conhecer a triste história de Pepper (Naomi Grossman), uma garota especial que é marginalizada pela família, ao qual provocou a sua ida a um manicômio de freiras, proporcionando o clássico link com a segunda temporada Asylun. E para alívio de todos que estavam tocados pela triste situação de Pepper, seu final não é regado de fatalidade, mas de saudades que ela nutria pela dona do circo, Elza Mars. Este episódio demonstrou que há possibilidade de sincronizar o drama e o terror sem dificuldades. 



    (Pepper - Naomi Grossman)


    O tema discriminação é bem retratado quando aborda-se que as aparências enganam. De um lado temos a personificação da maldade representada pelo belo Dandy Mott, com sua cara de anjo. Enquanto do outro, temos os valores morais enraizados naqueles que eram ditos "aberrações".



    (Dandy Mott - Finn Wittrock)


    Diante de tudo isso, só tenho a dizer que valeu muito a pena essa quarta temporada. Aumentou mais a minha convicção de que American Horror Stories é um diferencial por permitir uma interpretação em grandes proporções. Desta forma, assistam com a mente interpretativa, pois garanto que será bem melhor aproveitada.


    A série levou:

    4 de 5 medalhas #tas
    (4/5 medalhas #tas)

    (Angela Basset, Evan Peters e Sarah Paulson)



    E vocês? Assistiram AHS Freak Show? O que acharam? Deixem seus comentários e compartilhem suas idéias.


    Espero que tenham gostado do post. Compartilhem com seus amigos e não deixem de interagir.


    Fiquem com Deus e até o próximo post.


    Um grande beijo e "Tiaul".

    Dandy Souza.
  • Leia Também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário