3% (2016) - 1ª Temporada | O Pós-Apocalíptico 97% Brasileiro | Blog #tas

3% (2016) - 1ª Temporada | O Pós-Apocalípitico 97% Brasileiro | Blog #tas capa

3% pode até apresentar falhas, mas possui um enredo rico em análises e reflexões, que precisa ser apreciado. Descubra por que.

A primeira série brasileira da Netflix, chegou para inovar. Dentro de um cenário pós-apocalíptico, a produção possui grande potencial para entrar no ranking de séries consagradas. Seguindo o mesmo estilo de Jogos Vorazes e Divergente, 3% também aborda a temática: desigualdades sociais e a  corrida pela sobrevivência. Já estava mais que na hora de criar uma identidade brasileira em uma fórmula internacional. Será a chance das produções brasileiras explorarem novos ares, além da teledramaturgia? Esperamos que sim.

Por se tratar de um projeto novo, é comum que a primeira temporada apresente alguns deslizes. Porém tiveram acertos, não é à toa que foi a produção de língua não-inglesa mais vista nos EUA, e foi renovada para a segunda temporada – inclusive suas gravações iniciaram em julho de 2017. O desafio foi traçado e seu potencial foi reconhecido, agora é trabalhar para entregar uma temporada bem superior.



E se você ainda não assistiu a série, este post é para você. Vamos analisar sua primeira temporada e descubrir por que ela precisa estar na sua lista de “Séries Favoritas”. #PartiuReview

#A História

Em um futuro distante, em um mundo pós-apocalíptico, a população vive sob condições deploráveis. Apesar do caos, existe uma chance de melhoria de vida. Ao completar 20 anos de idade, todo cidadão tem a oportunidade de participar do “Processo”, um teste de seleção composto de rigorosas provas físicas e psicológicas. De todos os candidatos, apenas 3% serão aprovados. Os selecionados perdem complemente seu contato com familiares e amigos, para habitarem o “Maralto”, um local cheio de recursos avançados e que oferece qualidade de vida – muito semelhante ao filme Elysium.

Desde pequenos, os cidadãos são doutrinados sobre a importância e consequência deste “Processo”, tornando-o uma meta de vida. Em contrapartida, existe uma facção chamada “Causa”, que é contra esse sistema injusto. Anualmente, são enviados infiltrados para participarem do processo seletivo, com o objetivo de derrubá-lo, invadirem o “Maralto” e distribuírem os recursos de forma justa.



Durante o processo seletivo, o caráter dos candidatos são testados. Devido a competição acirrada, muito deles apresentam condutas imorais e antiéticas para vencerem as provas. Apesar de tanta rigorosidade, a seletiva possui falhas. Uma delas é adulteração clandestina da identificação de alguns dos candidatos. Isso ocorre, porque o candidato só tem direito a participar uma única vez. Muito dos reprovados, querendo uma segunda chance, entram no mercado negro para conseguir uma nova identificação. Vale lembrar que trata-se de um procedimento muito arriscado, uma vez que o interessado precisa passar por um processo cirúrgico.

Porém um homicídio no “Maralto”, chama atenção de todos. Há cem anos atrás ocorreu um fato parecido e foi identificado falhas no processo seletivo. Sendo assim, uma rigorosa investigação é aberta, para identificar se houve negligência do atual chefe da seletiva, Ezequiel (João Miguel). A partir desta premissa, iremos desvendar os segredos e as camadas de seus personagens.



#Impressões

3% segue o padrão dos enredos pós-apocalípticos, abordando questões sociais dentro de uma linha dramática. Além disso, temos a possibilidade de analisarmos o comportamento psicológico do ser humano, quando pressionado. Conforme os candidatos vão avançando as etapas, descobrimos o que cada um é capaz, para se tornar um vencedor - de companheirismo, à trapaças. Sacrifícios é outro assunto abordando nesta primeira temporada. Conforme a história vai avançando, desvendamos as camadas de cada um de seus personagens, e descobrimos seus segredos, conflitos e suas limitações. Muitas das vezes a essência e o passado são sacrificados, para dar continuidade ao “Processo”.

Apesar de um roteiro interessante e reflexivo, a série possui alguns deslizes. Um deles é o desempenho do elenco nos episódios iniciais. Neles percebemos que a produção estava focada demais, em seguir um enredo padronizado, dando uma impressão que os atores não estavam à vontade. Porém esse quadro muda em seus três último episódios, onde a série ganha sua identidade e consegue a naturalidade que estava faltando. Destaques merecidos para Joana (Vaneza Oliveira)Rafael (Rodolfo Valente) e Ezequiel (João Miguel). De início você reprova seus perfis duvidosos, mas a medida que são aprofundadas suas camadas, o público cria um vínculo com os três. Também não podemos esquecer Michele (Bianca Comparato) e Fernando (Michel Gomes) que entregaram uma atuação segura de seus personagens.

Mas conforme eu falei no início, estes deslizes são comuns, uma vez que ainda não tínhamos experiência neste estilo de produções. O importante é que a série tem um potencial e confirmou sua segunda temporada. Um ótima oportunidade de trabalharem em cima destes deslizes e fazerem seus devidos ajustes. Vale lembrar que 3% foi a produção de língua não-inglesa mais vista nos EUA. O que é um fator positivo e torna-se um divisor de águas nas produções brasileiras e que merece ser apreciado.



3% é uma boa série que te apresenta uma história bem fechada e um cliffhanger satisfatório. Confesso que fiquei bastante curioso em ver como é cenário do “Maralto”. Inclusive uma das promessas da próxima temporada é conhecermos esse local tão disputado e causador de rebeliões sociais. Vamos torcer para que a segunda temporada tenha um sucesso superior e que impulsione outras produções brasileiras com este porte.

E se você ainda não assistiu 3%, assista. Depois volte aqui e deixe seu comentário,  compartilhe com a gente sua experiência com a série. Acompanhe também as reviews de todos os episódios no site Panela de Séries. E se você gostou deste post compartilhe com seus amigos e aumente seu grupo de debates sobre a série, e essa nova oportunidade das produções brasileiras. 

Até o próximo post ;)



Ficha Técnica:

Título: 3%
Criador: Pedro Aguilera
Elenco: Bianca Comparato, João Miguel, Rodolfo Valente, Michel Gomes, Vaneza Oliveira, Viviane Porto, Zezé Motta, Mel Fronckowiak, Rafael Lozano, entre outros.
País: Brasil
Ano:  2016

A série ganhou:


(3/5 medalhas #tas)


Trailer:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.