Pânico (Scream, 1996) | 20 Anos do Slasher Certo | Blog #tas

Capa - Scream, 1996 | Blog #tas

Pânico (Scream, 1996) e seus 20 anos de consagração. Qual o segredo do sucesso?


Pânico (Scream) chegou trazendo uma proposta inovadora para um gênero que estava um tanto quanto banalizado. Com o uso do humor negro e diálogos carregados de fortes referências aos clássicos do terror, o filme não só mitou como também conquistou vários corações de Horror Loves, que já estavam desacreditados do gênero Slasher. E para celebrarmos estes vintes anos de close certo, vamos relembrar alguns momentos marcantes deste ícone do terror.

O filme foi dirigido por Wes Craven, e chegou às telonas no dia 20 de dezembro de 1996. E você sabia que ele foi inspirado em um caso real? Pois pode acreditar. Em agosto de 1990 um serial killer chamado Daniel Rooling, matou e mutilou cinco estudantes universitários na cidade de Gainsville, no estado da Flórida. Quer outra surpresa? Sua prisão foi algo casual - por roubo. Só foram descobrir a verdade quando os investigadores perceberam que suas ferramentas tinham marcas semelhantes aos deixados no locais dos crimes - que coisa não? Sendo assim, Daniel Rolling, ou The Ripper Gainsville - como ficou conhecido, foi executado por injeção letal em 25 de outubro de 2006 - que pesado heim?

Realidades à parte, Pânico além de ressuscitar o estilo Slasher, que estava bem caído, conseguiu conquistar admiração do público, com sua narrativa inovadora. A fórmula deu tão certo que tivemos três sequências do filme e uma adaptação em formato de série, seguindo a mesma temática, ou seja, Pânico fez escola.

A polícia está sempre fora desses casos. Se eles vissem A Morte Convida Para Dançar, ganhariam tempo. Há uma fórmula para tudo, uma fórmula simples e todo mundo é suspeito.

Chega de bastidores do sucesso e vamos a nossa homenagem. #Partiu



A História.

Em Woodsboro, na Califórnia, é decretando estado de alerta, após um duplo assassinato de dois estudantes. Fazia um ano que a cidade não registrava um crime tão bárbaro, depois do homicídio Maureen Prescott (Lynn McReen), mãe de Sidney Prescott (Never Campbell). A notícia causou um tremendo espanto, pela brutal semelhança entre os dois crimes. E o fato do suspeito da morte de Maureen estar preso, colocou em dúvidas se realmente ele era o verdadeiro culpado.

O caso chocante trouxe Sidney de volta às manchetes dos principais jornais da Califórnia. Além de lidar com assédio dos repórteres, a garota precisa lidar com tudo que está acontecendo, uma vez que estão mexendo em uma ferida que não estava totalmente cicatrizada. E para piorar, Sidney descobre  que é o próximo alvo deste serial killer. Um jogo de gato e rato é iniciado, e quem tentar se envolver, será fatalmente afetado.

Ela quer um motivo? Só não acredito em motivos. Norman Bates não tinha motivos. Descobriram por que Hannibal Lecter comia pessoas? É muito assustador quando não tem motivo.


A Icônica  Cena do Telefone

O que antes era visto como algo especial, tornou-se algo fatal. Admita, sempre que você escuta o telefone tocar, você lembra do famoso “Hello Sidney”. Foi bem criativo o uso deste artifício, uma vez que o telefone mexe com as emoções de alguém, e muita das vezes espera-se notícias boas, ou papos agradáveis. Porém aqui a ligação era a sua sentença de morte. E nos primeiros minutos, já temos de cara a primeira vítima da ligação maldita, Casey (Drew Barrymore). Que bem que tentou, mas não conseguiu responder a pergunta bônus: “Quem foi o assassino do primeiro filme Sexta-Feira 13?” - pode ter certeza que se fosse comigo, eu também levaria o farelo bonito, e você? Joguinhos à parte, tivemos um prólogo digno, mostrando o que estava por vir.



Referência aos Filmes de Terror

Outro memorável destaque é o nosso geek Randy que a todo instante soltava suas teorias baseadas nos clássicos do terror. Não importa a situação que Sidney estivesse, o rapaz precisava citar algo de algum filme. Mas vamos dar um desconto para Randy, além de Sidney ser sua Crush - ele queria impressioná-la, e ele foi o autor do “Guia de Sobrevivência do Filme Terror”. Sendo assim, não podemos zoar um mito desses. Né verdade?



Inovação é Consagração


Admitimos que Pânico é um clichezão, mas brincar com esse clichê  de forma humorada foi o que garantiu seu destaque. A fórmula inovadora não só derrubou preconceitos, como deu uma nova cara ao gênero Slasher. Além de um final bem elaborado e surpreendeu com a revelação da identidade do assassino. Já que começou dando uma pisa, que termine com um samba.


Filmes não criam os psicopatas. Apenas os tornam mais criativos.


E assim Pânico completa duas décadas de sucesso. Conquistando novos fãs e inspirando novas produções. Tivemos mais três sequências que repetiram a narrativa: Pânico 2 (1997), Pânico 3 (2000) e Pânico 4 (2011). Sendo que a última sequência foi a melhor de todas, pela coerência e o final surpreendente. Porém não supera o original.

A propósito, qual seu filme de terror favorito?


Ficha técnica:
Original: Scream
Diretor: Wes Craven
Elenco: Never Campbell, Courtney Cox, David Arquette, entre outros.
País: EUA
Ano: 1996

O Filme Ganhou:
(4/5 medalhas #tas)

Até o próximo post ;)




Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.