A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day, 2017) | Review | Blog #tas

Capa A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day, 2017) | Review | Blog #tas

 “A Morte Te Dá Parabéns” sabe que não é original, mas sabe brincar com isso para chamar sua atenção.


Pegue um gênero que estava bem batido, coloque doses de suspense e uma pitada de comédia, e você terá A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day, 2017). Sim, já conversamos aqui sobre o casamento entre o Slasher e a comédia. Não, você não está tendo um Deja Vu - por mais que seja a proposta do filme, este não é meu objetivo. Apenas estou chamando sua atenção para um pequeno detalhe: o slasher quando quer, nos surpreende. Não apenas pelo fato de chamar sua atenção por uma narrativa renovada, mas também pela revelação de uma nova Scream Queen.

Este título é tão rigoroso que no seu histórico só havia o registro de Jammie Lee Curtis em Halloween (1978), e Neve Campbell em Pânico, (1996). Felizmente agora em 2017, uma nova integrante surge para fazer parte deste time: Jessica Roth. E tenho que dizer que ela ganhou este título despretensiosamente, até porque seu perfil é um pouco diferente do que estamos acostumados a ver em Halloween e em Pânico. Mas por que eu digo isso? Já, já conversaremos sobre esse assunto.


Chega de delongas e vamos para nossa review. #Partiu

#Sinopse

Tree (Jessica Roth) é uma daquelas “bitch” que não faz questão nem de fingir ser simpática. Percebemos este perfil embuste de ser, com as belas patadas que dá em Carter (Isarael Broussard). Isso porque ela dormiu em seu quarto, imagina se fosse o contrário, pelo visto ingratidão não tem limites para essa garota. Depois de uma despedida nem um pouco calorosa, nosso projeto de antipatia vai seguindo com seu dia. Apesar de ser seu aniversário, Tree demonstra de todas as forma, seu repúdio pela data e não vê motivos para comemorá-la. Tudo o que ela realmente quer, é o que o dia termine logo.

O seu desejo vira realidade, mas de uma forma trágica. A garota é morta por um mascarado misterioso sem dó e piedade. Porém ela não contava, que voltaria para o mesmo dia de sua morte. Não tinha coisa pior que voltar em uma data que abomina e ser morta novamente? Pelo visto não. A única solução para sair desse looping da morte, é descobrir quem é seu assassino mascarado.


#Impressões

O filme é carregado de clichês, porém ele é muito bem trabalhado. Apesar do efeito loop ser o foco do filme, ele não se torna cansativo, por que todos os dias uma nova situação acontece. E com essa dinâmica, o público vai se envolvendo com a história e se sensibilizando com a protagonista. Que por sinal conquista a todos com sua mudança de perfil. Durante as investigações para descobrir seu assassino, Tree procura ser uma pessoa melhor a cada dia. Essa reforma íntima é o que permite o vínculo do público com a personagem e faz com que você torça por ela.


1-Referências

O filme aqui não tem nada de original e brinca com isso, e também não tem medo de assumir ser uma estratégia para chamar sua atenção. Sendo assim, você vai encontrar referências de outras produções dentro de sua narrativa, como:

-Pânico (1996): a aparição do assassino no quarto de Tree, e no quarto de boy de sua festa de aniversário;
-Halloween (1979): Tree sendo perseguida pelo assassino no hospital.
Buffy (1997): Tree para matar o assassino veste uma jaqueta de couro, prende o cabelo e usa bota de salto.
-Feitiço do Tempor (1993): além de usar a  mesma narrativa, do looping, o filme é mencionado em um diálogo entre a garota e Carter.


2-Mensagem do Filme

Apesar da temática do filme ser o slasher, ele possui uma mensagem interessante em seu enredo: a reforma íntima. Conforme o efeito looping vai acontecendo, Tree vai avaliando sua postura e começa a trabalhar para ser uma pessoa melhor. Deixando bem claro que antipatia e o desrespeito ao próximo, cria um círculo solitário e cheio de inimizades. Outro ponto interessante abordado, é a necessidade de resolver os conflitos pessoais, ao invés de camuflá-los. Conforme o filme vai avançado, vamos descobrindo as camadas de Tree e compreendendo seus motivos em não gostar de seu aniversário.


A Morte Te Dá Parabéns é um filme para ser visto sem cobranças de algo preciso, porque seu principal objetivo é divertir. Traz uma protagonista “bitch”, porém inteligente ao avaliar e mudar sua postura. Um plot twist satisfatório, e uma boa sacada com a revelação do assassino. Alguns questionaram sobre a cena das anotações dos suspeitos, dizendo que não fazia sentido, já que ela viveria tudo de novo. Vale lembra que apesar de voltar ao mesmo dia, sua memória permanecia e seu corpo voltava com as fraturas dos ataques. Sendo assim, ela rescrevia todos os dias a lista e ia descartando os suspeitos conforme ia descobrindo. O trailer até pode te entregar muita coisa, mas no filme você vai encontrar muito mais.

Se você ainda não assistiu, assista. Depois volte aqui e deixe seu comentário, compartilhe sua experiência. Se você gostou deste post compartilhe com seus amigos e ajude a divulgar e aumentar sua liste de filmes icônicos.

Até o próximo post ;)


Ficha Técnica:

Título Original: Happy Death Day
Direção: Christopher Landon
Elenco: Jessica Rothe, Isarael Broussard, Ruby Wylder Rivera Modine, Charles Aitken, Caleb Spillyards
País: EUA
Ano: 2017

O Filme Levou:

(4/5 medalhas #tas)

Trailer:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.